sexta-feira, 25 de maio de 2007

Dores de crescimento

Aconteceu-me hoje, como era frequente numa altura da infância. Estava tudo bem e de repente os ossos começavam a doer sem razão aparente. Ia ter com a minha mãe assustado, sem perceber o que se passava, e depois de um eliminar de outras causas possíveis vinha o diagnóstico: são dores de crescimento, tens de esperar que passe...
As de agora já não doem por fora, mas deixam a mesma sensação de pouco haver a fazer, além de "esperar que passe".
Demoraram a vir. Como diz a minha tia, tenho o rabinho virado para a lua. Foi preciso chegar a esta idade para perceber algumas frustrações da vida: que não posso fazer bem a toda a gente, que nem toda a gente me faz bem e que nunca vou poder agradar a todos. Em compensação, surge nova gente de quem gosto e que gosta de mim. E isso está-me a fazer bem.
No fundo, são apenas isso, dores de crescimento. Não são doenças difíceis de resolver, como algumas que vejo perto de mim. São dores ocasionais, que com o tempo passam, e que me vão tornando uma pessoa menos inocente, mas mais forte. Tenho pena, mas não posso ser criança a vida toda...

4 comentários:

Maggie disse...

que bom que são ocasionais! ;)
Beijinhos e saudades

Anónimo disse...

Olá Tiago!

Quero que saibas que eu faço parte dessa "nova gente" que gosta de ti..muito mesmo...
Conheço-te só à distância, mas espero um dia conhecer-te pessoalmente,
da tua nova amiga,

Susana Ramos (CV)

Tiago disse...

Às vezes arrependo-me de escrever aqui estes desabafos. São coisas do momento, desilusões com pessoas, estados de alma que tão rapidamente vêm como vão. Mas obrigado pela vossa preocupação!

E obrigado, Susana! Havemos de nos encontrar por Portugal. E para quando um blog de Cabo Verde?
Beijinhos tb à Maggie. ;)

Maffa disse...

Continua a desabafar aqui que nesses momentos escreves coisas ainda mais bonitas!
beijinhos da Mafles cheia de saudades de uma boa conversa...