sexta-feira, 15 de setembro de 2006

Menino de coro

Durante 10 anos estudei música. Aprendi piano e teoria com a D. Judite, uma professora entusiasmada e exigente, que continuava a ensinar já na casa dos oitenta. Eu devo ter sido o seu último aluno, e no dia do seu funeral prometi que não ia deixar nunca a música.
Nesses anos todos de aulas, nunca consegui ganhar disciplina para me sentar todos os dias ao piano e estudar, e ao tocar faltava-me algum sentimento. Tens de arranjar uma namorada, dizia-me ela. Por sua insistência, ainda cheguei a fazer um exame no Conservatório, mas foi, juntamente com Processo Civil, a única coisa a que chumbei. Ainda assim, não me frustra tanto saber que não fui, nem virei a ser, um virtuoso do piano.
O que eu gostei mesmo foi de aprender a teoria da música, perceber a sucessão quase matemática, mas sempre aberta ao imprevisto, das harmonias. Reconhecer os sons, ler pautas, cantar afinado. Essa base tem-me sido preciosa para tirar acordes de ouvido para a guitarra e fazer vozes em coros ad-hoc para casamentos. E a isto se resumia a minha actividade musical até ontem.
A meio do Verão decidi procurar um coro. Era uma maneira de pôr a render esse talento e também de conhecer novas pessoas. O meu amigo Google deu-me várias hipóteses de escolha, mas a que mais me interessou foi um coro que ensaiava a escassos metros de minha casa e que publicitava uma boa vida social entre os seus membros.
Ontem fui pela primeira vez a um ensaio, à experiência, e acho que é para ficar! Eram 15 a 20 pessoas, quase todos abaixo dos 40. Se aqui no emprego o que não faltam são caras feias, ali toda a gente tinha pinta: lavadinhos, bem vestidos e com caras sorridentes - e nem vestígios de uma miúda feita, eram todas giras!
Quando cheguei, estavam nos exercícios de aquecimento, não só vocais mas também físicos (ginástica e até massagens!). Como era o primeiro ensaio para o próximo concerto (em Novembro, acho), o director apresentou reportório e avisou logo que ia ser um bocado diferente dos clássicos habituais. Passou-nos para as mãos um livro de partituras dos Abba, e lá fomos nós: Money money money, Thank you for the music... Não é de longe um dos meus grupos favoritos, mas aquilo cantado a 4 vozes tem outra pinta! E para a semana vamos juntar a Bohemian Raphsody dos Queen, e até Britney Spears, ao reportório.
O único problema é que, enquanto que todos os outros são uns cromos e apanham as notas todas
à primeira, eu estava muito enferrujado e andei um bocado perdido, mas nada que não se resolva com a prática. E também não tenho o vozeirão de alguns que lá estavam, mas essa é a vantagem de um coro - não é preciso ser um às, desde que possa contribuir para o colectivo!
No intervalo serviram café e biscoitos, e no final fomos quase todos até ao pub - how British! De onde és?, o que fazes?, como descobriste este coro?, as apresentações habituais. E todos me acolheram muito bem.
Parece que foi uma escolha acertada, e com muito para explorar!

6 comentários:

migalha disse...

Olha ai esta uma optima decisao! Boa Tiaguinho - que giro! Tu consegues ler musica, que sorte! esta giro o texto .
Raparigas giras ? E eu que achava que nesses coros so havia gente ...

Fica bem e responde ao meu mail que se calhar ainda te faco companhia na viagem para POrtugal no Natal.

Aqui esta de chuva!

Beijinhos aos da Casa
Ana

El Chino disse...

boa jogado T!!!!!

Anónimo disse...

Boa!! Escolha acertadííííssima!! Deve ser muito giro!! E como tu levas jeito mais dia menos dia tás a mandar neles todos!! :)
Abç
ZM

Mafi disse...

A isso é que se chama intrusar rápido...vai ter de ocntar novidades dos ensaios, já sabes... :) beijinhos

Anónimo disse...

"...Tens de arranjar uma namorada, dizia-me ela. Por sua insistência,.."

Oh! Pá! Não é que pensei que tinhas arranjado a dita cuja? Mas não ... "ainda cheguei a fazer um exame no Conservatório, mas foi, juntamente com Processo Civil, a única coisa a que chumbei."

Pois claro! Mais valia teres arranjado a dita!

Beijos,
Tia Dáda

p.canha disse...

sempre a fazer coisas giras! começo a perceber porque que a ana gosta tanto de ti!
um abraço