quarta-feira, 24 de janeiro de 2007

Balada da neve

Batem leve, levemente,
como quem chama por mim.
Será chuva? Será gente?
Gente não é, certamente
e a chuva não bate assim.

É talvez a ventania:
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho...


Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento com certeza.

Fui ver. A neve caía
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria...
- Há quanto tempo a não via!
E que saudades, Deus meu!

Olho-a através da vidraça.
Pôs tudo da cor do linho.
Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça
na brancura do caminho...


Augusto Gil


Estas são algumas imagens que encontrei no caminho para o trabalho. Caiu pouca neve, nem sequer foi suficiente para causar grandes problemas aos transportes.
Foi giro enquanto durou, porque há 2 anos que não nevava por aqui. Mas agora que "olho através da vidraça", já não sobra nem um bocadinho de neve... Será que volta?

1 comentário:

Breaking the Waves disse...

Bonito!!
Por aqui chove, mas a temperatura é amena, máx 19º, em média. De fazer "inveja" mas a neve também :)