terça-feira, 4 de setembro de 2007

Despedidas luso-colombianas

Antes de ir de férias, houve tempo para dois jantares de despedida. Foram os únicos momentos bons no meio de uma maratona de mudanças! A ideia de levar tudo "às costas" de uma casa para a outra, apesar de a distância ser pequena, esgotou-me as forças e fez-me aguentar 3 dias com apenas 3 horas de sono no total. Fiquei a sentir-me muito casmurro por não ter posto tudo num táxi, como faria qualquer pessoa normal.
Mas vamos aos jantares. Na quinta-feira 23 foi o último jantar em "67 Mayford", a casa antiga. Tinha acabado de assinar o contrato do novo estúdio e já tinha transportado parte das coisas com as minhas amigas colombianas, Carolina e Catalina, que vão continuar a viver no mesmo prédio que eu, dois pisos acima. Mas achámos por bem aproveitar a cozinha limpa e arrumada da casa antiga para um último jantar. Isto porque o meu estúdio estava um amontoado de tralhas e a cozinha que elas partilham com outras 3 pessoas estava um nojo.
Comprei vegetais para saltear com peru e arroz, e não podia faltar o vinho verde que sempre nos acompanhou naquela casa. Ficam aqui as fotos da praxe, ainda que desta vez tiradas com o telemóvel e por isso de pior qualidade.
Ainda hei-de contar quantos convidados passaram por esta mesa, com direito a foto tirada sempre do mesmo sítio. A mesa era o lugar da casa que os assíduos do blog reconheciam logo, quando me visitavam. Agora tenho de puxar pela imaginação para receber os convidados, dado que no estúdio não cabem mesa e cadeiras...

No dia seguinte foi altura de me despedir da Marcela Tobon. A irmã da Catalina, que chegou a dormir lá em casa nos primeiros dias, já terminou o seu Master (LLM) em Direito e agora voltou para a Colômbia para retomar o trabalho. E para terminar em beleza, recorremos uma vez mais à gastronomia sul-americana: já tínhamos experimentado brasileiro e peruano, mas deixámos para o final o restaurante colombiano de Elephant & Castle (La Bodeguita). O mais divertido é que parecia que tínhamos entrado em território colombiano, de tão autêntico era o lugar e a sua clientela. Enquanto apreciávamos um ceviche de camarão (ela) e uma bandeja paisa (eu), já estávamos rodeados de gente a dançar salsa.
A Marcela deixa saudades, mas já deu para perceber pelas restantes amizades inter-continentais que mais cedo do que pensamos nos voltaremos a encontrar!

3 comentários:

Diogo em Macau disse...

Acho que eu tambem optaria por transportar as coisas a mao... eheheh

Anónimo disse...

Mas Alvim tu és um forreta, já o Tiago não se parece nada assim.

mariajoaozinha disse...

Mas que grande prato!!!
Quero um desses restaurantes aqui!!