quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Um trabalho diferente

Hoje lá fui até ao novo trabalho. Lá bem nos subúrbios, 1h10 de caminho porta a porta. Chego à morada indicada e é uma rua residencial, sem sombra de prédios de escritórios. Começa-me a cheirar a esturro. Avanço até ao número 53, que me aparece como uma casa igual às outras. Antes de tocar à campaínha, imagino-me por momentos a acordar numa banheira de gelo e sem um rim, e rio da ideia estúpida. Quem me abre a porta é um rapaz indiano, com quem eu tinha ontem falado ao telefone. Não tem mais de 20 anos. Será ele o dono da empresa? O primeiro pedido desconcerta-me: não te importas de tirar os sapatos?
Já em pleno reino da pantufa, que mais não é do que a sala de casa do chefe, sou apresentado à minha colega polaca. Todos muito afáveis, a aliviar o sinistro da situação. O rapaz vai-me explicando o que faz a empresa: compra telemóveis novos (excedentes de stock) ou usados (velhos ou avariados) às operadoras e vende-os a Hong Kong. Os telemóveis bons são postos à venda nos mercados asiático e africano, enquanto que os avariados são mandados para arranjar na China. Um bom negócio, ao que parece. A minha tarefa é telefonar a estabelecer contactos com os operadores portugueses, já que saber a língua ajuda muito quando é preciso descobrir quem é a pessoa certa a contactar. Passam-me um portátil e um telefone para a mão.
Entretanto chega o chinês, devidamente achinelado, e vai-se ocupando com os orçamentos e os contactos com Hong Kong. A minha pronúncia inglesa não é famosa, mas ao lado daqueles três sinto-me o Professor Higgins da My Fair Lady. Faço o primeiro telefonema, e consigo desbloquear um contacto que eles perseguiam há meses. O mais divertido foi dizer ao senhor da Optimus que lhe estava a ligar "dos nossos escritórios em Londres" e imaginá-lo a imaginar-me num prédio sofisticado, com vista para o Thames, e obviamente calçado! Pelo meio traduzo uma apresentação de inglês para português e um email de espanhol para inglês.
Hoje fiz só meio dia, amanhã será o dia todo. Não pagam bem, mas sempre ganho mais do que se ficasse em casa de papo para o ar. E quando me fartar, goodbye Maria Ivone.

4 comentários:

Maria disse...

vejo que gostaste de mudar de ares! e da chinesada/chinelada tambem ;) de vez em quando sabe bem um trabalhito assim "random"

Maffa disse...

iiiiiiiiii o que eu me ri de te imaginar de pantufa nos confins de Londres :) beijinhos!

Zé Maria disse...

+ 1 para contares aos netos

cadu1981 disse...

oi! axei este blog na sei aonde e ri-me imenso a ler..pelo que me apercebi, foste pra londres á campeão e vais arranjando trabalhos ou é impressão minha!!!

quem me dera ter coragem pra fazer isso... so queria bazar pra londres e ter um workzinho como eng mecanico, ou designer, mas não queria partir á aventura!!!

fds tou fudido!!!!