segunda-feira, 27 de março de 2006

Montes Claros


Sou frequentemente atacado por saudades de Montes Claros. Foram apenas 2 meses da minha vida, e já lá vão quase 3 anos, mas as memórias continuam bem presentes e prontas a saltar, como hoje, aos primeiros acordes de uma música brasileira ou às primeiras linhas de um mail da Rita, que por lá continua ao serviço das crianças do Aquarela.
Esses 2 meses foram um tempo de disponibilidade total, de estar ali ao serviço, para o que fosse preciso; um tempo em que me senti útil, embora à distância me pareça que fiz muito pouco. Foi também um tempo de liberdade: apesar de nos levantarmos todos os dias bem cedo e de termos tarefas a cumprir, todos ali estávamos por nossa escolha e em plena entrega, e a única "produtividade" que nos era pedida era estarmos com as pessoas, darmos o melhor de nós aos que viviam mais sozinhos ou com mais problemas, e às crianças do "reforço" (apoio escolar).


Muitos momentos ficaram marcados na memória: a alegria do Radson a comer esparguete à bolonhesa em nossa casa; a aula de forró regada com caipirinha em casa da Denise; as visitas com o Irmão João Luís ao acampamento dos Sem Terra; a "pipa" que nos foi oferecida pelo Lucas, um menino de 8 anos, no dia em que o padrasto o tinha ameaçado com uma faca; a festa-surpresa que o bairro nos preparou. E a lista podia continuar... Nos próximos dias vou deixar por aqui algumas histórias e imagens desses tempos.


Mas sinto também uma saudade especial da "comunidade" que formei com a Catarina e a Mafalda, o Zé e o Palma. Todos os dias partilhávamos 3 refeições e 3 momentos de oração, e todas as semanas tínhamos um tema para reflectir. Isto para além da conversa que fluía naturalmente, sem tabus e com bastante resistência ao cansaço (não foi, Maffa?). Foram 2 meses de um "Big Brother" muito saudável, porque estávamos ali os cinco unidos pelo mesmo projecto e pela mesma vontade de aprofundar a Fé. A amizade foi crescendo, como resultado disso mesmo, e mantém-se forte!
Tenho muitas vezes a tentação de querer viver o resto da vida e das amizades ao mesmo ritmo desse tempo, e isso acontece-me tanto em Lisboa como aqui em Londres. No entanto, tenho a noção de que Montes Claros foi uma experiência muito rica, mas de certa forma fácil, porque tudo à nossa volta nos convidava a sermos bons e generosos, com os de fora e entre nós. O desafio maior é conseguir que a "vida normal" seja regida pelos mesmos valores e que aqueles que convivem connosco possam também conhecer o nosso "melhor lado".

*Neste post queria deixar também um beijinho especial para a Tia Quicas, mãe da Catarina, que me tem dado a alegria da sua visita ao blog desde Viena. Espero vê-la em breve!

7 comentários:

Diogo Alvim disse...

Vai-te preparando para seres chacinado pelo Sr. D. José quando ele vir um vídeo dele a dançar acessível a qualquer blogonauta que por aí se passeie. eheheh
Já agora, porquê aquela coisinha das letras quando se põe um comentário?

Maffa disse...

Ah!! LINDO!!
estou aqui no trabalho por isso coibi-me de dançar um forrosinho...
Grandes 2 meses! Tb tenho muitas saudades desses tempos.

p.canha disse...

És santo meu amigo! um abraço.

que tal uma vida de "comunidade aí em lOndres? sabes que há comunidades ACI das escravas aí em London?

joana d'arc disse...

Embora não tenha estao contigo em MOC 2003, partilho dessa nostalgia... Eu sinto falta dos abraços dos miudos que corriam pela rua quando nos viam! E do forro tb, claro está! O que eu me ri a ver o video...

El Chino disse...

T... imagino que as saudades batam de vez em quando! A mim também vão batendo uma vez ou outra!
Infelizmente não conseguimos ter a disponibilidade que temos em projecto no "rebuliço" do nosso dia-a-dia... é pena... mas é um desafio!
Esta é a vida real... não é o saudável "big brother"!!
Um abraço

Catarina disse...

Querido T,
escampam-se-me as palavras para agradecer a generosidade das tuas saudades e da frase dedicada á minha querida mãe.
Por agora, so um beijinho e saudades, tantas tantas do nosso Verão de 2003 :)
Cats

Tiago disse...

Que giro! Comentários de 6 pessoas que estiveram com o MSV em projecto no Brasil em ocasiões diferentes.
Obrigado pela dica, Paulo! Não sabia mas já andei a investigar e um dia destes vou visitar as Escravas aqui. É muito perto de minha casa!